Fernanda Lima: “Hoje tenho condições de olhar além do meu mundo”



Gaúcha, natural de Porto Alegre (RS), 38 anos. Canceriana de 25 de junho, Fernanda Lima é emotiva, caseira, valoriza a família e dona de um enorme coração. Em um breve bate-papo com a Revista Gente que Faz, durante o Jantar Anual do Instituto do Câncer Infantil, em julho deste ano, foi possível observar no olhar de Fernanda, e especialmente em sua iniciativa, a vontade de contribuir com seu potencial de mídia abraçando uma grande causa: a luta de crianças e adolescentes contra o câncer

“Há tempos vinha namorando esta aproximação com o Instituto. No Brasil temos carência em várias áreas, porém, quando se trata da saúde das crianças fico realmente muito motivada em ajudar. É muito doloroso ver crianças sofrendo sem assistência psicológica e financeira. Por isso escolhi o ICI como uma causa para minha vida”, revelou.

Crédito LenaraPetenuzzo

Perfil de estrela

Jornalista, modelo, atriz, apresentadora de TV e roteirista. Ufa! Fernanda Lima não brinca quando o assunto é trabalho, mesmo sendo a simpatia que é frente ou não às câmeras. Dona de uma trajetória admirável, tudo começou quando tinha apenas 14 anos. Na praia – seu lugar preferido – um fotógrafo que a observava disse que poderia ser modelo. Sendo seu maior sonho conhecer o mundo, viu nesta ideia a chance perfeita. E levou a sério. Depois da produção do book de fotos em uma agência, em pouco tempo despontava numa rotina de viagens e descobertas.

Fernanda mergulhou fundo e, hoje, com mais de vinte anos de carreira, com um perfil requisitado e inspirador, tem como resultado sucesso e mais sucesso, especialmente pela desenvoltura ímpar nas telinhas e nas passarelas, seu primeiro passaporte para o universo da comunicação. “Em frente às câmeras entendi que havia chegado onde sempre quis. Esse era, assim como a praia, meu habitat. É o que gosto de fazer, onde me sinto bem e inteira”, relevou a apresentadora.

Ao trabalhar neste meio, contou que sempre se sentiu realizada, o que a estimulou a buscar formação na faculdade de Jornalismo e outras qualificações para os diversos trabalhos aos quais foi desafiada e ainda é. Nas primeiras experiências como apresentadora, passou pelos programas Mochilão e Fica Comigo, ambos na MTV.

Já na Rede Globo, substituiu a apresentadora Angélica por duas vezes no Vídeo Show, durante sua licença maternidade e, a partir de então, sua carreira evoluiu a ponto de ganhar seu próprio programa na emissora – o pioneiro Amor e Sexo. Também esteve no comando do SuperStar e participou de novelas da emissora: foi protagonista em Bang Bang e interpretou uma modelo em Pé na Jaca.

Esta trajetória rendeu um convite para apresentar o sorteio dos grupos para a Copa do Mundo no Brasil, em 2014. Ainda, de quebra, foi considerada musa da competição.

Marco Nunes_0456

Novo momento

Com a vida corrida, dedicada integralmente à carreira, foi na gravidez dos filhos gêmeos, João e Francisco, atualmente com 8 anos, que Fernanda Lima percebeu que era hora de diminuir o ritmo. Fernanda disse que a ficha caiu quando entendeu que a vida com a qual ela um dia havia sonhado era realidade. Morava em uma casa que ela desenhou, já não se cobrava tanto profissionalmente, tinha a seu lado uma pessoa que a entendia e estimulava (Rodrigo Hilbert) e precisava se dedicar à família que construiu.

Fernanda contou que a partir desta etapa sentiu-se em um novo momento, conseguindo, após o nascimento dos “gurizinhos”, administrar tanto a vida profissional quanto a pessoal, a ponto de se dedicar a projetos sociais que sempre julgou relevantes. “Hoje já tenho condições de olhar além do meu mundo e ajudar em causas que considero importantes”, ressaltou.

Causas sociais

Em julho deste ano, após finalizar a temporada do programa SuperStar, Fernanda Lima visitou sua cidade natal em uma ocasião especial: o Jantar Anual do Instituto do Câncer Infantil, que aconteceu na Associação Leopoldina Juvenil. No evento, a apresentadora foi declarada embaixadora nacional da instituição, ou seja, representante do trabalho de assistência do ICI a crianças e adolescentes com câncer e suas famílias em todo o país.

O mundo está muito complicado com crises econômicas e humanas, as pessoas quase não têm mais tempo de olhar o próximo. Como pessoa pública, posso ajudar na divulgação de causas importantes”, disse Fernanda, orgulhosa com esta nova missão de salvar vidas junto ao Instituto.

Fernanda revelou que seu olhar solidário se desenvolveu desde criança, envolvida com a família em trabalhos sociais. “Minha mãe e minha dinda tinham costume de me levar a instituições. Tocavam violão nesses lugares, pelos corredores, e eu nunca vou me esquecer das pessoas recebendo a gente, chorando, rindo, por poder ouvir uma música e receber uma visita”, lembrou.

Nenhuma novidade para ela, mas um mundo que João e Francisco ainda não tinham visto de perto. No dia seguinte ao Jantar Anual do ICI, Fernanda levou ou filhos – acompanhada da mãe Maria Tereza – para visitar crianças e adolescentes em tratamento na oncologia pediátrica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. “Foi um momento importante em nossas vidas. Expliquei aonde iríamos e o que ia acontecer. Acho importante que eles entendam como a vida pode ser injusta e como temos potencial para ajudar quem necessita de ajuda”, contou.

A embaixadora nacional do Instituto do Câncer Infantil emocionou-se com algumas histórias que ouviu e ainda recebeu desenhos de presente de algumas crianças. “Foi marcante e muito bonito para eles. No final estavam jogando e brincando com as crianças do hospital. Fiquei emocionada”, disse.

Crédito Marco Nunes 3_Filhos Francisco e João

Pelo esporte

A paixão de Fernanda Lima pelo esporte também sempre a motivou. Com pais professores de Educação Física, desde a infância, a lista do que já praticou inclui ginástica rítmica e olímpica, natação e patinação. Sem contar que era titular dos times de vôlei e handball da escola. Por isto, sempre teve olhar atento ao universo esportivo, em especial, às dificuldades enfrentadas por atletas com alguma deficiência. Neste ano, então, também se engajou no programa do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), como Embaixadora Paralímpica do Brasil. “Estes atletas são uma grande inspiração, pela importância do esporte na formação de nossas crianças e pelo exemplo de luta que dão diariamente em suas vidas, sem apoio, nem patrocinadores, na maioria das vezes”, ressaltou.

Tanto as crianças que enfrentam o câncer bem como os atletas paralímpicos ganharam uma representante de peso, com energia para lutar e vencer juntos todas as dificuldades impostas pela vida. A partir de agora, o brilho nos olhos de Fernanda Lima também será visto além das telinhas.

Texto | Martha Becker e Juliana Godoy
Fotos | Lenara Petenuzzo e Marco Nunes

Publicado na edição 27 da revista Gente que Faz

 

Tags relacionadas

Comente



Compartilhe!




POSTS RECENTES

Image

Zico apita para solidariedade

Endeusado especialmente por japoneses e flamenguistas, o Galinho de Quintino é um dos maiores nomes do futebol brasileiro. E, mesmo após a aposentadoria, dedica-se aos projetos sociais e jogos beneficentes, como uma forma de retribuir do que o esporte lhe deu Lajeado recebeu, em dezembro, a segunda edição do Craques Solidários. Criado em 2016, a […]

LEIA MAIS
Image

Claus e Vanessa: sem medo de amar, ousar e ser feliz

Juntos há 17 anos, tanto na carreira como partilhando uma vida em comum, Claus Fetter e Vanessa Marques são donos de uma trajetória de sucesso por onde deixam os acordes de suas músicas, quer seja nos palcos de grandes shows ou tocando em casamentos, formaturas e feiras Tudo começou lá em 2001, quando se conheceram […]

LEIA MAIS
Image

Casos de colesterol alto podem ter origem familiar

Mapeamento genético da doença será um dos temas abordados em simpósio na Capital gaúcha, neste sábado (19/5) Eventualmente provocado por maus hábitos alimentares, o colesterol alto também pode ter influência no histórico familiar, conhecida como dislipidemia poligênica. No entanto, a cada 300 indivíduos no mundo, um possui a doença em virtude da herança genética direta. Isso ocorre quando o pai carrega consigo um dentre seis genes […]

LEIA MAIS