Fernanda Pozzebon: o que os astros nos explicam

Com cada vez mais adeptos, a astrologia se insere no cotidiano para nos ajudar a entender os resultados de relacionamentos e ações que tomamos e os impactos gerados por cada passo dado em busca das realizações

É bastante comum em nossas vidas buscarmos respostas para acontecimentos. Curiosos e inquietos que somos, não nos contentamos em apenas em ver a nossa vida passar, mas entender o motivo pelo qual cada fato, positivo ou negativo, aconteceu – e o porquê de ter acontecido naquele momento. Cada qual com a sua crença, sem certo ou errado, apenas com o intuito de compreender como moldamos nossos costumes, por qual razão nos aproximamos de uns e nos afastamos de outros, a razão pela qual um projeto deu certo e o outro foi malsucedido. Há quem procure a religião para explorar esse mundo, mas a astrologia, tão longínqua em história quanto, também nos possibilita entender nossa existência no mundo.

O estudo dos astros contém registros de 3000 antes de Cristo e baseou o desenvolvimento de importantes culturas, como os egípcios, gregos e romanos que utilizavam os mapas astrais e o posicionamento dos astros para tomada de importantes decisões. Ao longo do tempo, a Igreja Católica condenou tal prática e considerou seu estudo algo ligado tão somente à superstição, sem embasamento. À época do Renascimento, no século XVI, houve uma forte retomada da astrologia – inclusive com apoio da Igreja – com o seu uso feito por nomes como Isaac Newton, Galileu Galilei e Nicolau Copérnico, mas sempre com um pé atrás de outras lideranças da época acerca da veracidade.

Atualmente, a astrologia tem sido objeto de interesse cada vez maior por parte da população. É bastante comum vermos profissionais – ou simplesmente curiosos no assunto – discutindo o posicionamento dos astros, cujo impacto é absoluto nas nossas vidas. A regência do Sol e da Lua, bem como alinhamento dos planetas e os signos são capazes de dirimir dúvidas sobre o que quisermos, desde um momento pessoal até a realidade de um país. Há quem use esse conhecimento para orientar a agricultura para o plantio e colheita, a previsão meteorológica, a abertura de uma empresa e, acredite, até a contratação de um funcionário. A astróloga Fernanda Pozzebon explica que é possível mapear acontecimentos de qualquer objeto a partir da sua data de nascimento (ou criação), dia e hora do fato e o local onde aconteceu. É o que se chama de mapa natal, um norteador dos motivos e das missões do objeto em estudo para a sua existência.

Fernanda fez o curso de astrologia junto com a faculdade de direito. Atualmente, ela divide a atenção entre os dois assuntos, cujas carreiras já acumulam quase duas décadas. Professora na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e advogada, ela conta que o interesse pelos astros veio de família. “Uma tia minha me deu alguns livros quando eu tinha 12 anos. Foi o meu primeiro contato com o assunto”. O início dos estudos e a crescente vontade de compreender esse mundo impulsionou Fernanda a mergulhar fundo no conhecimento sobre a astrologia. Hoje, ela trabalha com mapas astrais e consultas, assim como palestras sobre o tema.

A astróloga chama o mapa natal de cada pessoal de “segunda carteira de identidade” da pessoa. Ele é feito com os dados de nascimento e o resultado seria como uma fotografia do universo de quando viemos ao mundo.  Para Fernanda Pozzebon, o nascimento vem sempre com um propósito, e é possível prever alguns traços de personalidade que estarão presentes naquele ser humano na sua vida pessoal e profissional. “Até os sete anos, a criança adquire a personalidade, suas características e como elas irão se manifestar durante a vida”, explica.

Durante a vida, há os mapas astrais, cujo ciclo dura um ano e se altera de tempos em tempos, justamente pelo alinhamento diferente dos astros. Fernanda explica que os mapas podem nos dar a direção para o mais correto a se fazer naquele período, quais atitudes são mais corretas e quais deveríamos deixar de lado, como iremos nos comportar dentro dos círculos profissionais, familiares e sociais e no que devemos apostar ou evitar. “A cada ano, há algo a ser realizado e isso é indicado no mapa. Os astros nos ajudam a ver o que é mais propício para aquele ciclo”, explica.

Ela dá um exemplo de como os astros podem explicar alguns fenômenos da nossa vida. Em maio, o Brasil sofreu com a greve dos caminhoneiros, que paralisou todo o país e causou uma crise de desabastecimento geral. Uma das explicações possíveis seria o fato de Urano estar alinhado ao signo de Touro, o que para a astrologia tem a ver com escassez de alimentos, um momento de reavaliação do consumo por parte das pessoas. Tal movimento, segundo explica Fernanda Pozzebon, aconteceu muito próximo do início das manifestações e teria como objetivo nos fazer refletir sobre a forma como lidamos com recursos essenciais para a nossa vida, como poderíamos nos adaptar a um cenário de menos fartura, ou seja, formular uma autocrítica e melhorar a respeito do assunto.

A astróloga defende que o assunto deveria ser tratado ainda nas escolas, com as crianças. O conhecimento dessa ciência não-exata tornaria possível o autoconhecimento e geraria uma reflexão sobre vários aspectos da vida atual e do futuro dos meninos e meninas. Uma das palestras que Fernanda Pozzebon ministra é sobre como o estudo pode impactar na escolha das carreiras profissionais das pessoas. Para ela, muitos estudantes seguem caminhos com os quais não estão identificados por desejo da família e se tornam infelizes, algo que a astrologia poderia ajudar a resolver. “Eu não fiz Direito por causa do meu mapa astral, até porque não sabia ainda como montá-lo, mas depois pelo mapa descobri que essa era a minha vocação, bem como lecionar e fazer palestras”. A abordagem ajudaria a “desmistificar” o assunto, na visão de Fernanda, ainda visto com desconfiança por muitas pessoas descrentes com as previsões oriundas desse estudo.

O impacto de cada astro na nossa vida

  • Sol: Caminho da individualização, desejo de reconhecimento, potencial criativo. Regente do signo de Leão.
  • Lua: Expressão dos sentimentos espontâneos, vínculos afetivos. Onde se busca a realização emocional. Regente do signo de Câncer.
  • Vênus: Onde expressamos afeto e amor. A maneira como nos relacionamos e os valores sociais, afetivos e materiais. Regente dos signos de Touro e Libra
  • Marte: Ação, impulso, energia. A coragem e a “agressividade” para buscar coisas. Regente do signo de Áries.
  • Júpiter: Crescimento e desenvolvimento pessoal, nossas crenças e exageros. Regente do signo de Sagitário.
  • Urano: A busca pelo diferente, o novo. Mudanças que devemos fazer para progredir, consciência social e a nossa liberdade. Regente do signo de Aquário.
  • Netuno: Criatividade artística. Voltado aos sentimentos do amor, da sensibilidade, do misticismo. Regente do signo de Peixes.
  • Plutão: Potencial de transformação, onde buscar aprofundamento. Tensões, medos e dramas. Regente do signo de Escorpião

Por João Dienstamnn

Foto Divulagação

Publicado na edição 41 da revista Gente que Faz



Tags relacionadas

Comente



Compartilhe!







POSTS RECENTES

Image

Alta performance na moda fitness

A tecnologia e a inovação nos transportam de uma moda visual para uma moda sensorial Os dois últimos anos de pandemia provocaram mudanças de comportamento e no modo como a atividade física se faz presente na nossa rotina. Descobrimos novas maneiras para se exercitar — os treinos on-line vieram para ficar — as academias e […]

LEIA MAIS
Image

EDUARDO CARNEIRO e suas imagens poderosas

Eduardo Carneiro é, sobretudo, um aventureiro pertencente ao mundo. O fascínio por fotografar pessoas permite que sua visão transite pela publicidade, pela moda e pela arte. Seu estúdio conta com um time perito em construção de realidades, celebrando uma história sólida e ascendente de 25 anos no mercado. Seus trabalhos incluem editoriais de moda e […]

LEIA MAIS
Image

Erasmo Battistella, o gaúcho que é líder na produção do biodiesel

Com planos ambiciosos e uma pauta voltada à sustentabilidade, empresário galga espaço no cenário internacional e aumenta o debate acerca das energias renováveis A pandemia de coronavírus, iniciada há dois anos, e os recentes conflitos entre Rússia e Ucrânia criaram uma necessidade ainda mais imediata no debate acerca de energias renováveis. Medidas globais, como Acordo […]

LEIA MAIS