A Ásia, por Kazuo Harada

Kazuo Harada retornou a sua cidade natal, São Paulo, e já há um séquito de fãs e fiéis que o agradecem na terra que dos negócios à boa mesa é de uma multiplicidade cultural incrível

Histórias traçadas com afeto de família, como o avô que também teve um restaurante oriental na capital paulista, talvez estejam na sua constelação da vida. E ele, com certeza, honra esta história e acrescenta! Depois de atuar em países diferentes, liderou o festejado Mee no Copacabana Palace, onde ganhou suas principais premiações, inclusive uma estrela Michelin que manteve por três anos consecutivos.

 

Dinâmico, inventivo e inovador, no seu ambiente há diferentes propostas, seja no balcão ou nas mesas.  Pode-se optar pelo omakase, composto por sushis e sashimis, ou pelo Menu Kazuo, com pratos quentes de inspiração em culinárias asiáticas,  passeando pela Tailândia, pelo Vietnã e pela China, por exemplo (ambos por R$ 390). E, claro, há o menu a la carte, extenso.

 

A gente sabe que sucesso sempre é resultado de múltiplas confluências… pois vamos a elas e para início, o melhor drinque sem álcool. Pedi os ingredientes: gengibre, soda da casa, hortelã, limão tahiti, xarope de melão e purê de abacaxi. Voilá! Perfeito.

As inspirações para o restaurante , o chef trouxe de todos os lugares, mas principalmente do tempo morando em Dubai.  O ambiente é chique e moderno, com projeto assinado pelo premiado Naoki Otake, especialista em arquitetura japonesa. Nas paredes, obras do artista Gabriel Ribeiro. Mas foi na delicadeza de cada prato que nos tornamos súditos da excelência de Kazuo.  Tudo vem no detalhe e na perfeição, instagramável. Iniciamos com uma ostra fresca com ovas de ouriço, gema de ovo de codorna e molho cítrico.

 

 

Vinhos e saquês estão numa adega de madeira, projetada por Tsutomo Taniguchi, que ocupa uma parede inteira, tendo capacidade para cerca de 180 rótulos e 650 garrafas. A carta foi idealizada pelo sommelier Yugo Miyashita. A carta de drinks vem assinada por Alex Sepulchro, head bartender do premiado SubAstor. Há clássicos da coquetelaria e autorais fantásticos, como o  Tokyo Milk Punch, preparado com uva verde, abacaxi, Lillet, vodka, sakê, Monin vanilla, limão siciliano, licor de yuzu e leite integral.

A ótima variedade de peixes, como atum bluefin, olho-de-boi, carapau, serra e linguado, garante sashimis e sushis de alta qualidade, que podem ser pedidos também em sugestões como o moriawase. Há pratos frios e quentes, como os camarões preparados na wok onde o gengibre e molho de ostra ganham a feliz companhia de noz-pecã caramelizada. Há releituras que também impressionam pela apresentação e paladar, como a do Peking Duck. Coxa e sobrecoxa são desfiadas à mesa pelo garçom para que o cliente monte panquequinhas com a ave, vegetais e os molhos hoisin e de pimenta.

Para arrematar a viagem gastronômica, a sobremesa, Jardim Doce, que chega arrancando ohs pelo gelo seco acompanhando um lindo prato com uma seleção da chef confeiteira que  fecham com chave de ouro a experiência. Imperdível!

Av. Brigadeiro Faria Lima, 2277, Itaim Bibi – São Paulo – SP / Tel.: (11) 3062-5241

Por Neiva Schneider – publicado na edição 52 da revista Gente que Faz

Crédito:
Ambiente e chef – Tadeu Brunelli
pratos – Rubens Kato

 



Tags relacionadas

Comente



Compartilhe!







POSTS RECENTES

Image

Silvana Zanon: a arte do savoir-vivre

Do francês, “saber viver”. Conceito que, ao estilo de seu povo, valoriza as regras de etiqueta mas vai muito além disso: envolve o convívio social, o comportamento amável e a arte da conversação. Este é o tema do livro “O savoir-vivre é um jogo”, escrito pela antropóloga Geneviève d’Angenstein e que ganhou uma versão brasileira, […]

LEIA MAIS
Image

Fany é fada!

A arte de emergir a beleza “Você, você mesma, tanto quanto qualquer um no universo inteiro, merece o seu Amor e a sua Afeição.” (Buda)   Se em algum momento a vida real se aproxima de um conto de fadas moderno, é porque há Fany(s) Machado que erguem suas varinhas, ou melhor, pincéis mágicos. Uma […]

LEIA MAIS
Image

Anantara Dhigu, o extraordinário no paraíso

“Acho que vou me beliscar. Quero ter certeza que estou vivendo o extraordinário.” Você tem certeza que está vivendo as Maldivas e não está apenas frente a uma tela de cinema com as imagens mais verde esmeraldas desse universo pontuadas por pérolas quando deixa o aeroporto de Malé. Uau, cercado por águas, vejo um frenesi […]

LEIA MAIS