Yes, nós temos burlesco

 

A luxúria e a ironia, o erótico e o lúdico ganham espaço com pin-ups pós modernas, que se inspiram nos míticos cabarés de Paris para compor seus shows. Elas fazem sucesso aqui e lá fora, como dançarinas neoburlescas

eventail_orange_020_LucasFonseca

          Magia, sedução e comédia. Assim podemos descrever a dança burlesca, que sem perder o glamour de décadas passadas, encanta plateias de todo Brasil. A arte explora o strip-tease de uma maneira não tão explícita. Nas apresentações, tudo ganha uma conotação divertida. A performer conduz a plateia como lhe convém de uma forma lúdica e única através do charme das coreografias, músicas, figurinos e muita sensualidade.

_MRB2384

O burlesco, que quer dizer exagero, surgiu nos Estados Unidos, na década de 60. Na época, a modalidade era composta por peças teatrais de comédia, que abordavam temas relacionados ao cotidiano das pessoas. De uma forma leve, descontraída e exagerada, as apresentações conquistavam o riso da plateia. A grande estrela da época, Gypsy Rose Lee, era expert em explorar sua sensualidade com um tom de comédia e muita inteligência.

Mais tarde, a dança burlesca ganhou uma nova interpretação: o strip-tease. Muito além de uma dança sensual em que as mulheres tiravam a roupa para seduzir os homens, o burlesco mistura arte com performances divertidas e engraçadas, além do visual pin up. As performers nunca ficavam completamente nuas devido à censura da época. Atualmente, a arte preserva a cultura história. Calcinhas fio-dental, tapa-sexo e adesivos para cobrir os mamilos eram e ainda são obrigatórios.

Os principais expoentes do burlesco são as cidades americanas de Nova Iorque, Seattle e Melbourne, na Austrália. Ainda pouco conhecida no Brasil, onde teve o conceito introduzido durante a Belle Epoque do país entre os anos 1889 e 1922, a arte burlesca preserva os itens principais da história. As apresentações continuam com caracterização tradicional da época, sendo uma forma de propagar a cultura e mostrar um outro lado do strip-tease para as pessoas.

green_corset_014_AndreGiorgi

A pioneira neste tipo de performances no Brasil foi Karina Raquel, dançarina de ballet clássico em companhias de São Paulo e também formada em Hotelaria. Ela ficou conhecida como Fascinatrix desde 2006. Sem fazer a linha cômica ou escrachada, nem o estilo nerd/cosplay que vigora atualmente, Fascinatrix se define como uma “nova pin-up” e faz um trabalho de resgate dos pocket shows burlescos dos anos 30 e 40. O objetivo é engrandecer o strip-tease, desvalorizado por muito tempo e que voltou a ter sucesso com nomes como das americanas Dita Von Teese e Michelle L’Amour. Elas se tornaram musas da nova geração e se apresentam para grandes plateias em clubes, shows e eventos particulares. Michelle, inclusive, foi quem deu as primeiras dicas a Fascinatrix.

É impossível, aliás, pensar em burlesco sem lembrar da famosa Dita Von Teese, principal artista do gênero no mundo. Ela impressiona em suas apresentações pelos figurinos de alta costura e também pelo cenário com centenas de milhares de cristais Swarovski. Ou seja, Von Teese mostra ao máximo todo o poder, luxo e glamour do universo do neoburlesco, não sendo a toa um ícone fashion da moda, além de feminista ativa.

Atualmente, essa arte vive uma nova fase iniciada em 1993 chamada neoburlesco, da qual Dita é pioneira. O novo burlesco é mais intelectualizado do que o original, tendo seu foco dividido entre figurino, glamour, estética pin-up e dança, assim como o investimento em performances altamente teatralizadas, sem deixar de lado a questão principal da valorização da mulher.

Uma curiosidade que chama a atenção é que o burlesco foge de padrões estéticos de beleza. As mulheres que praticam essa arte são, geralmente, consideradas normais. Nada de corpos sarados. Não existe nenhum estereótipo específico. A única necessidade é criar algo fascinante e bonito. As apresentações exploram o que o corpo feminino tem de mais atraente: a naturalidade. Claro que seios caídos, gordurinhas, celulites e estrias fazem parte da apresentação. E quer saber? Ninguém se importa com isso.

No final de maio, a performer americana Miss Indigo Blue se apresentou no Valen18+, um bar erótico localizado em Porto Alegre. Nossa equipe conversou com ela. Entre tantas coisas, ela ressaltou que ama o Brasil e, inclusive, fez questão de responder a entrevista em português. Confira!

_MRB2295

O que é burlesco pra você? Para mim, o burlesco é uma combinação de sexo, amor e feminismo.

– Você atualmente vive das apresentações burlescas? – Sim. Comecei há mais de 25 anos no Lusty Lady, em Seattle (EUA), lugar de danças eróticas. Hoje, além de realizar as apresentações no meu país e fora dele, tenho desde 2003 uma escola de burlesco chamada Academy of Burlesque. A escola fica localizada na minha cidade, Seattle, onde meninas e meninos podem aprender essa arte através da dança e do teatro.

Como é trabalhar sozinha? – É a melhor coisa que tem! Meu trabalho é minha vida, é minha paixão. Assim, eu tenho a liberdade para criar o que eu quiser. Eu sou a minha diretora. É ótimo poder na minha idade decidir o que eu quero fazer. Sou realizada.

– Como mulher, qual a relação que você tem com o seu corpo? – Como toda mulher, tem partes minhas que eu gosto e outras não. Mas me sinto abençoada por poder usar meu corpo a trabalho. Quando eu estou no palco, o que faz eu me sentir melhor é ver as pessoas sorrindo e se divertindo, gostando da minha apresentação. A forma de dança ajuda a se libertar disso, pois empresto meu corpo para entregar felicidade.

– Não é difícil ter um relacionamento amoroso tendo como profissão algo que lida tanto com a exposição do corpo e, consequentemente, assédio? – Já tive problemas com isso, mas hoje sou bem resolvida. Se a pessoa quer ficar comigo e não aceita o meu trabalho, eu troco de pessoa, mas continuo fazendo o que eu mais amo!

 

Créditos das fotos: Valen Bar/Maiquel Borges e Fascinatrix por Lucas Fonseca e divulgação

por Brunna Weissheimer e Luísa Bergonci



Tags relacionadas

Comente



Compartilhe!







POSTS RECENTES

Image

Nasce uma estrela Michelin em Courchevel

Cidade ícone da gastronomia nos alpes franceses, Courchevel recebe uma nova estrela do Guia Michelin Courchevel, já reconhecida mundialmente pela variedade de sua gastronomia e por ser o complexo de ski com maior número de estrelas do Guia Michelin em nível global, acaba de receber mais uma. A detentora do novo título é o Le […]

LEIA MAIS
Image

Discretas e notáveis, Luiza e Carolina Garrastazu jogam um bolão na arquitetura e no decor

Elas são irmãs, lindas, mães de meninos e constroem para famílias globetrotters.  Jogam um bolão, na arquitetura. A lista de clientes de Luiza e Carol Garrastazu conta com diversos nomes do futebol , além de empresários e profissionais liberais na esfera do sul.  Aprovam projetos e ideias por whatsapp com interlocutores na China, na Rússia, […]

LEIA MAIS
Image

Os destinos mais tranquilos para quem está tentando fugir da folia de Carnaval

Levantamento do KAYAK aponta 10 destinos nacionais e na América Latina para os brasileiros que preferem curtir um Carnaval cheio de sossego O Carnaval está chegando, um dos feriados mais esperados pelos brasileiros, e é época de viajar com a família, com os amigos, tirar o glitter da gaveta, preparar a fantasia e aproveitar os […]

LEIA MAIS