Somos negligentes



foto interna

Senadora Ana Amélia (Foto Lisette Guerra)

A negligência tão presente no nosso comportamento cotidiano, pode explicar, em parte, a eclosão da crise do zika vírus que tanto atormenta a população. Muito do que temos visto e ouvido, nos jornais, rádios, TVs e redes sociais sobre o descontrole nos gastos públicos, a corrupção ou a excessiva burocracia, atrapalhando a economia, são consequência de nossa omissão e falta de vigilância! Não falo apenas de nossa capacidade de eleger bons governantes, mas das responsabilidades individuais diárias – em casa, no trabalho ou na escola.

Refiro-me, por exemplo, ao desalinhamento entre nosso comportamento e as atitudes necessárias à consolidação de uma cultura de civilidade. Negligenciamos em atos aparentemente simples, como o respeito às filas, aos limites de velocidade, à sinalização, ao uso racional da água ou ao cuidadoso uso de bens públicos. São muitos os exemplos de nossa negligência! É emblemático o caso do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, da chikungunya e do zika vírus,  relacionado aos mais de 700 casos de microcefalia confirmados no Brasil. Para enfrentar esse “vilão”, a pesquisadora Rose Monnerat, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), desenvolveu, em 2007, um inovador bioinseticida, coincidente à incidência de muitos casos de dengue no Distrito Federal, à época. A pesquisadora, com o apoio e envolvimento de toda a comunidade, conseguiu controlar a reprodução do mosquito na cidade satélite de São Sebastião, situada a apenas 20 quilômetros da Praça dos Três Poderes, em Brasília. Foi um bom exemplo de envolvimento sinérgico das pessoas: comunidade escolar, professores, pesquisadores, agentes de saúde, pais, líderes comunitários e autoridades. A mobilização, envolvendo a participação dinâmica de crianças, adolescentes e adultos, em atividades extra-curriculares, no ensino fundamental, médio e superior, garantiu a erradicação do mosquito, hoje motivo de enorme preocupação da sociedade brasileira. Por negligência, aquele modelo tão bem sucedido de política pública preventiva, na área de saúde, se perdeu no tempo. A negligência foi, também nesse caso, maior que a responsabilidade na continuidade daquele relevante projeto. A negligência colocou o Brasil na desconfortável situação de epidemia do zika vírus, reconhecida pela OMS. A Organização Mundial de Saúde, com o aumento dos casos de zika vírus, admitiu que a situação no Brasil é grave. O que ocorre hoje em relação ao mosquito é o visível reflexo de nossa negligência. Combater a dengue e o mosquito transmissor dessa e de outras doenças é uma obrigação de todos nós. Essa responsabilidade envolve desde a plantinha que temos em casa plantada em vaso, aparentemente inofensiva, até a piscina de uma casa abandonada, ou pneus e garrafas jogados nos entulhos,  criatórios do mosquito. Os poderes públicos e a sociedade precisam se envolver nessa guerra contra o mosquito.

A negligência compromete soluções duradouras. No final dos anos 90 e início do ano 2000, uma grave crise atingiu o setor de energia no país. Lembro do apagão energético que obrigou, de modo vigilante, em algumas regiões do país, a manter lâmpadas apagadas e evitar o desperdício de energia. Banhos foram racionados, a utilização de luzes foi controlada,  rigorosamente, e aparelhos com elevado consumo energético foram descartados dando lugar a equipamentos sustentáveis  e econômicos.  Terminado o “apagão”, continuamos   perdulários, tal qual ocorre hoje, em São Paulo, com a água. Usamos energia e água como se fossem fontes inesgotáveis. Nossa negligência prevaleceu e continuará sendo sempre uma perigosa ameaça, enquanto cada um de nós esquecer que a educação e a responsabilidade consciente são, sem dúvida, os melhores aliados à construção de uma sociedade pacífica, civilizada e comprometida com o bem público, os valores e princípios éticos e democráticos.

 

Ana Amélia Lemos

Senadora pelo Rio Grande do Sul

Pensata publicada na edição 29 da revista Gente que Faz

Tags relacionadas

Comente



Compartilhe!




POSTS RECENTES

Image

Zico apita para solidariedade

Endeusado especialmente por japoneses e flamenguistas, o Galinho de Quintino é um dos maiores nomes do futebol brasileiro. E, mesmo após a aposentadoria, dedica-se aos projetos sociais e jogos beneficentes, como uma forma de retribuir do que o esporte lhe deu Lajeado recebeu, em dezembro, a segunda edição do Craques Solidários. Criado em 2016, a […]

LEIA MAIS
Image

Claus e Vanessa: sem medo de amar, ousar e ser feliz

Juntos há 17 anos, tanto na carreira como partilhando uma vida em comum, Claus Fetter e Vanessa Marques são donos de uma trajetória de sucesso por onde deixam os acordes de suas músicas, quer seja nos palcos de grandes shows ou tocando em casamentos, formaturas e feiras Tudo começou lá em 2001, quando se conheceram […]

LEIA MAIS
Image

Casos de colesterol alto podem ter origem familiar

Mapeamento genético da doença será um dos temas abordados em simpósio na Capital gaúcha, neste sábado (19/5) Eventualmente provocado por maus hábitos alimentares, o colesterol alto também pode ter influência no histórico familiar, conhecida como dislipidemia poligênica. No entanto, a cada 300 indivíduos no mundo, um possui a doença em virtude da herança genética direta. Isso ocorre quando o pai carrega consigo um dentre seis genes […]

LEIA MAIS