Image

Ele fez do seu lugar um oásis de cor e sabor

A gastronomia de Beto Pimentel tem o cheiro, o sabor e o colorido do nosso Brasil. Com tanta terra e tanta diversidade, descobriu a riqueza de nossas frutas e fez o saudável se tornar inesquecível   

Desde a primeira vez que conheci o alquimista Beto Pimentel e experimentei o sabor de seus pratos, sempre quis voltar aos seus domínios, em Salvador. Amante da natureza, homem simples e de alegria contagiante, ele fez de seu Paraíso Tropical, o único restaurante brasileiro premiado pela cobiçada Commanderie dês Cordons Bleus de France, maior escola de gastronomia do mundo.

A moqueca de Beto, ah, essa você não encontra em lugar algum! Azeite de dendê processado e leite de coco engarrafado passam longe de sua moqueca.  Ao invés disso, utiliza o fruto do dendê e a polpa do coco verde batida na própria água. Ele cria sabores tão surpreendentes quanto o seu jeito de ser. Viúvo quatro vezes, 23 filhos e um número de netos que já desistiu de contar, o agrônomo Beto fez do seu restaurante e de sua gastronomia a extensão de seu belo pomar. Seus pratos leves e coloridos podem levar ingá, biri-biri, maturi, licuri, goiaba, caju, jaca, carambola, bacuri, cajá, pupunha, sapoti, mangaba e outras tantas frutas cultivadas em um espaço de 60 mil metros quadrados, colado ao restaurante.  Enquanto degustamos seus pratos, escutamos suas histórias e a química dos alimentos, que tanto domina. A poesia de Beto, seu conhecimento, sua história de vida, cativam. Vale torcer para que ele lá esteja, pois, quando Beto não está na cozinha, está na terra.

Da moqueca a caldeirada, tudo é orgânico, natural, feito de forma artesanal, respeitando as características de cada alimento. “Aqui não entra maionese, leite de coco, creme de leite”, afirma. Ele, que também estudou Química Alimentar na França e que foi inicialmente acusado de descaracterizar a cozinha baiana, hoje tem o seu nome badalado e acumula prêmios resultado de sua culinária inovadora e revolucionária (sem perder suas raízes), feita à base de frutas e ervas exóticas cultivadas em sua horta e pomar.  “Nascemos em um país em que só o estado da Bahia tem cinco biomas, cinco climas diferentes. A diversidade é muito grande de nutrientes, frutas, folhas, cascas, madeiras, temos que aproveitar”, complementa.                                                       

O Paraíso Tropical é o único da Bahia que os empresários e bons gourmets Ricardo Amaral e José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, citam no guia que escreveram juntos e que foi lançado em 2014. “O chef Beto Pimentel, assim, como quem não quer nada, causou uma pequena revolução na culinária baiana, com reflexos na gastronomia brasileira: a incorporação, inteligente e criteriosa, da riqueza frutífera do Brasil nas receitas salgadas”, comentam os autores, no livro “Guia dos Guias”.

Sobremesa neste paraíso de Beto? Fruta grelhada, sem dúvida alguma! Mas, antes disso, pego o celular e ligo o gravador, Beto nos presenteou com a sua poesia e eu não poderia correr o risco de não lembrar seus versos. E nem os apagar quero, de vez em quando escuto novamente o que mais me soa como mantra para vida:

Minha vida foi uma batalha eterna.

Não foram poucos metros. Foram léguas.

Saltei todos os obstáculos.

Tinha pressa, não fitei as trevas, nem tive tempo para as sestas.

Vou ganhar a guerra e vou fazer a festa.

TRÊS PERGUNTAS PARA O ALQUIMISTA BETO PIMENTEL:

Como você conhece tanto os benefícios das plantas?

Mandei muita coisa para analisar, gastei muito com laboratório. Agora o pessoal virou meu amigo e consigo fazer de graça. Não acredite em dito popular, acredite na ciência. Tem que mandar analisar verde, maduro, seco, de toda forma para ver o que aquele fruto tem.

Como é seu método de criação de receitas salgadas com frutas?

Por incrível que pareça, fica melhor. A minha moqueca leva caldinho de cacau, tangerina, limão, biri-biri. Na minha cozinha, não uso água, nem água mineral, tudo é feito com água de coco verde e ela não descaracteriza nada. Com um temperinho ninguém sabe se foi água de coco ou não que você colocou ali. Minha obrigação é fazer comida o mais saudável possível, fazer com que a pessoa saia de lá melhor do que entrou.

Como é a recepção das pessoas quando provam sua comida pela primeira vez?

É uma surpresa estúpida, só falta se ajoelhar. Não pense que o uso de frutas vai descaracterizar. A moqueca fica melhor e mais leve. Meu azeite de dendê, eu uso a polpa da própria fruta. Usando a fruta fica mais saudável e mais saboroso também, porque o dendê, se aquecido, vira gordura ruim, cheia de triglicerídeos. O pessoal fica bobo é com o sabor da minha cozinha. A mistura parece que não vai dar certo, mas dá.

 



Comente



Compartilhe!




POSTS RECENTES

Image

Asiate NY, à altura de sua gastronomia

Mesmo que não estivesse no 35º andar do hotel Mandarin Oriental, o Asiate ainda lhe aproximaria dos céus, pela sua gastronomia singular, pela dinâmica da equipe ou pelas extraordinárias técnicas do chefs Cyril Renaud e Dina Bonnet Não bastasse ele estar localizado no Mandarin Oriental, na cidade de Nova York, bem no centro da ação […]

LEIA MAIS
Image

Mandarin Barcelona

Sim, o nosso poetinha Mário Quintana sabia das coisas. “A verdadeira arte de viajar… A gente sempre deve sair à rua como quem foge de casa. Como se estivessem abertos diante de nós todos os caminhos do mundo. Não importa que os compromissos, as obrigações, estejam ali… Chegamos de muito longe, de alma aberta e […]

LEIA MAIS
Image

Os donos da festa

Eles são desejados, paparicados, ovacionados. Formam um grupo seleto, que trabalha para gente selecionada. Fazem as melhores festas do Estado, do Chá de Bebê ao Casamento, com criatividade, elegância, sofisticação, dedicação, honestidade, bom senso. Tudo na medida. Não é a toa [à toa] que os convites para as festas que eles realizam são disputados a […]

LEIA MAIS